Artigos autorais

Em congresso de extrema-direita, procuradores atacam a cultura

EDITORIAL

Os reiterados ataques dos promotores e procuradores de extrema direita à cultura e à arte comprovam o poder das manifestações artísticas e culturais na construção de um Brasil democrático. 

Nos dias 29 e 30/11, acontecerá em Brasília o “1º Congresso Nacional do MP Pró-Sociedade”, organizado por promotores e procuradores de extrema direita e partidários de Jair Bolsonaro. Em sua programação, notamos um interesse especial à cultura e à arte brasileira. O evento é da FESMPDFT, instituição de ensino ligada ao Ministério Público.

Dois painéis serão dedicados exclusivamente a divulgar uma visão conservadora e ultrapassada da arte e da cultura. O primeiro, intitulado “pornografia infantil X arte. Manifestação cultural ou crime?” tenta dar fôlego à falsa narrativa de que existe correlação entre manifestações culturais que se utilizam da nudez com a pornografia. O uso do corpo nu na arte remonta à tempos imemoriais, sendo reprimido em poucos períodos históricos, notadamente durante a idade média. Este factoide, de que as manifestações artísticas estimulam a “sexualidade precoce” foi amplamente utilizado por candidatos durante as eleições, e será defendido no painel pelo Procurador Regional da República, Guilherme Schelb. Guilherme é cotado, inclusive, para ser ministro da educação do novo governo. Segundo fontes, sua indicação serve para “agradar setores mais conservadores da bancada evangélica”.

O segundo painel a se debruçar sobre a arte tem como título “Se tudo é arte: então nada é arte: (sic) A importância da tradição ocidental e indagações sobre a relativização da arte e da alta cultura como um caminho para o pior…(sic)” . O palestrante, Adriano Alves-Marreiros é um promotor de Justiça Militar que não possui nenhuma produção sobre cultura ou arte. É necessário ressaltar que questionamentos conceituais acerca da arte contemporânea são sempre saudáveis, desde que busquemos respostas em produções sérias e autores de credibilidade.

À luz do consenso teórico, esta suposta “banalização da arte” apenas subsiste em discursos partidários e radicais. Não cabe ao Observatório Nacional da Cultura, apesar de contar com assessoria acadêmica, participar deste debate. Cabe, sim, relembrar aos participantes deste evento que este tipo de pensamento não é contemporâneo, não é científico e seria ridicularizado em qualquer cátedra da “tradição ocidental” por eles defendida. Este desdém pelo conhecimento fica claro na formação do quadro de palestrantes. Todos são afinados ideologicamente, abolindo na prática a realização de um debate sério e do contraditório, conceitos tão caros ao pensamento.

O ONC sempre primou pela liberdade institucional e pedagógica das instituições de ensino. Sabendo disso, considera natural um evento partidário ser realizado por uma escola, como é a Fundação Escola Superior do Ministério Público do DF e Territórios. Contrários a isto são os defensores do Escola Sem Partido, que, ironicamente, farão duas palestras no evento.

Observatório Nacional da Cultura

 

Na imagem, “David”, de Michelangelo do ano 1501.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: